Cientistas da UFRJ descobrem que exercícios fisícos é um caminho promissor para a cura do alzheimer
08/01/2019 10:13 em Novidades

Ginástica na piscina uma hora por dia, cinco vezes na semana. É o tratamento que melhora o desempenho dos camundongos no teste de memória.

 

As cobaias têm Alzheimer e os cientistas notaram que, após cinco semanas de treino na piscina, os efeitos nocivos da doença praticamente desapareceram. Os camundongos passaram com nota máxima em todos os testes de memória.

 

O responsável pela mudança de comportamento é um hormônio descoberto há seis anos: a irisina. Ela é produzida nos músculos, com o estímulo da atividade física, e cai na corrente sanguínea. Os cientistas já conheciam o efeito dela para reduzir as reservas de gordura. Este novo estudo mostra o poder da irisina quando ela chega no cérebro.

Ela fortalece as sinapses, que são os prolongamentos dos neurônios, responsáveis pela conexão entre as células - função prejudicada nas pessoas com Alzheimer. A irisina favorece esta conexão e as informações são registradas na memória.

Algumas cobaias produziram a irisina durante a atividade. Outro grupo recebeu uma substância sintética que imita o hormônio. Os resultados foram iguais.

FONTE: G1

COMENTÁRIOS